SP monitora quatro casos suspeitos de coronavírus, três na capital

18 de Fevereiro de 2020 – Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, todos são adultos e têm histórico de viagem à China. Outro caso é de Campinas.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo informou que monitora um total de quatro casos suspeitos de coronavírus no estado. Dois deles foram identificados nesta terça-feira (18) na capital paulista, e outros dois já eram investigados, conforme o último balanço da pasta.

Na cidade de São Paulo, os três adultos voltaram da China com sintomas do vírus. O outro caso é do município de Campinas.

O novo coronavírus foi denominado oficialmente nesta semana pela Organização Mundial da Saúde como COVID-19, sigla em inglês para “coronavirus disease 2019″ (doença por coronavírus 2019, na tradução).

Até o momento, não há caso confirmado de COVID-19 em São Paulo, nem no Brasil.

Coleta de exames

Em São Paulo, a investigação dos casos é realizada pelas secretarias municipais de saúde, com apoio técnico do estado. As amostras biológicas dos pacientes são colhidas pelo hospital onde foram atendidos os pacientes e enviadas para análise no Instituto Adolfo Lutz, na capital paulista.

Os exames são feitos a partir da coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou coleta de secreções da boca e nariz), que é realizado pelo hospital que atendeu o caso suspeito e encaminhado ao laboratório de saúde pública na capital.

Os dados oficiais estão sendo registrados pelos municípios em um sistema de notificação do Ministério da Saúde.

Coronavírus: sintomas, risco no Brasil e tudo o que se sabe até agora

Centro de monitoramento

As autoridades sanitárias de São Paulo orientam que os pacientes com os sintomas da doença procurem o serviço de saúde mais próximo, caso apresentem febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza, associados a aspectos epidemiológicos como histórico de viagem em área com circulação do vírus ou contato próximo a algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para coronavírus.

As autoridades sanitárias de São Paulo orientam que os pacientes com os sintomas da doença procurem o serviço de saúde mais próximo, caso apresentem febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza, associados a aspectos epidemiológicos como histórico de viagem em área com circulação do vírus ou contato próximo a algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para coronavírus.

Para acompanhar esses casos suspeitos, o governo de São Paulo anunciou a criação de um centro de operações de emergência, que funcionará 24 horas por dia, controlando os registros do coronavírus em todo o estado.

O plano de ação, lançado em parceria com a Prefeitura de São Paulo, integrará profissionais de todos os municípios e inclui a compra de equipamentos de proteção para funcionários de saúde.

Capital

De acordo com o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), a capital paulista terá um profissional em cada equipamento de saúde do município destacado para identificar possíveis pacientes com a doença.

No início de fevereiro, os profissionais de saúde começaram a receber treinamento presencial sobre fluxo de notificação e atendimento específicos em casos suspeitos de coronavírus.

A ação conjunta do governo e da prefeitura também inclui um site, onde é possível encontrar orientações para relatar casos suspeitos, entender as explicações sobre o vírus e suas formas de transmissão.

O site também publica a atualização diária da circulação do coronavírus no estado de São Paulo, além de comunicar as ações estaduais focadas na prevenção, assistência e diagnóstico.

Dicas de Prevenção

  • Cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado;
  • Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou usar antisséptico de mãos à base de álcool;
  • Deslocamentos não devem ser realizados enquanto a pessoa estiver doente;
  • Quem for viajar aos locais com circulação do vírus deve evitar contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos), e a circulação em mercados de animais e seus produtos.

Fonte: G1 SP — São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *